Olhai por Vós Mesmos!

“E olhai por vós, para que não aconteça que o vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia. Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a Terra. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas essas coisas que hão-de acontecer e de estar em pé diante do Filho do Homem.” Lucas 21:34-36


Muitas vezes passamos os olhos pela Palavra de Deus, mas há pormenores que nos “escapam”, mas que são vitais. Não são muitas as vezes que encontramos nas Escrituras, esta expressão bem simples, “OLHAI POR VÓS”, e passamos adiante. Esta admoestação é como a sinalização de uma estrada, onde um determinado sinal nos alerta, por exemplo, que nos aproximamos de uma lomba, e precisamos de ter os cuidados necessários…

Porque é tão importante olharmos por nós mesmos? Por que não nos podemos esquecer que estamos numa caminhada, onde todos os nossos sentidos têm que estar alerta, e mais ainda, para sabermos se estamos realmente a caminhar no Caminho, ou se por qualquer motivo, já deixamos de andar nele. O caminho que estamos a trilhar é o que nos leva à Vida? Então um pequeno descuido, pode ser fatal!

Há muitos condutores que sofrem acidentes graves, pelo excesso de confiança. Muitos até já conhecem o caminho de “olhos fechados”, e por deixarem de estar atentos, infelizmente, sofrem as piores consequências.
Jesus já ganhou para nós uma tão grande salvação, mas temos de ser fiéis a Ele! Dar tudo como garantido, pode ser o prenúncio de desgraça.

Como recebemos este conselho de Josué 1:7?  “Tão-somente esforça-te e tem mui bom ânimo para teres o cuidado de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te ordenou; dela não te desvies, nem para a direita nem para a esquerda, para que prudentemente te conduzas por onde quer que andares.”

A indicação dada por Deus é bastante precisa e clara. Tem o cuidado de fazer conforme toda a lei, e não te desvies nem para um lado, nem para outro. Isto significa que ao longo do caminho, vão surgir situações que te podem querer levar a fazer isso, daí a necessidade de que Josué se conduzisse prudentemente.

Ao aplicarmos este conselho à nossa vida, e tendo em conta a passagem de Lucas, nós não nos podemos esquecer daquilo que tantas vezes afirmamos. Estamos no mundo, mas não pertencemos a ele. Então é hora de mantermos os nossos olhos bem abertos, para que coisas simples não nos afastem do sublime propósito de chegarmos ao fim da nossa carreira.
Jesus mostra-nos o Seu “cuidado” por nós!

“E OLHAI POR VÓS, para que não aconteça que o vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia. Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas essas coisas que hão-de acontecer e de estar em pé diante do Filho do Homem.

Isto é amor e cuidado por mim e por ti! São coisas que à partida nos podem parecer inofensivas. Mas o comer, o beber e os cuidados da vida, podem levar-nos a descuidar da esperança maravilhosa de vivermos eternamente com Deus, e não nos prepararmos para isso enquanto tivermos oportunidade de viver aqui neste corpo. Em Mateus 16 Jesus prometeu que edificaria a Sua Igreja. Veja como faz todo o sentido o conselho de Jesus! “OLHAI POR VÓS!”

“Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o Senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo que o Senhor, quando vier, achar servindo assim. Em verdade vos digo que o porá sobre todos os seus bens. Porém, se aquele mau servo disser consigo: O meu senhor tarde virá, e começar a espancar os seus conservos, e a comer, e a beber com os bêbados, virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera e à hora em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mateus 24:45-51

Então, o Reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. E cinco delas eram prudentes, e cinco, loucas. As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. E, tardando o esposo, tosquenejaram todas e adormeceram. Mas, à meia-noite, ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo! Saí-lhe ao encontro! Então, todas aquelas virgens se levantaram e prepararam as suas lâmpadas.


E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós; ide, antes, aos que o vendem e comprai-o para vós. E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. E, depois, chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, senhor, abre-nos a porta! E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o Dia nem a hora em que o Filho do Homem há-de vir.” Mateus 25:1-13

Estamos a caminho da eternidade. A vida cá é curta. Não seria frustrante, agora que estamos cada vez mais perto da eternidade, ficarmos pelo caminho?

Na parábola dos dois servos, o mau e negligente servo, pensou que o seu senhor tarde viria, e, que fez ele? Para além de espancar ou de maltratar os seus conservos, comeu e bebeu com os bêbados. Entretanto chegou o senhor daquele servo, mas, de que serviu? Ele foi surpreendido, e não estava prevenido!

Na parábola das Dez Virgens, só sabemos que cinco delas são imprudentes, sem azeite de reserva. As suas lâmpadas apagaram-se e suas reservas estavam secas. Simples descuidos podem ser catastróficos. Ninguém sabia da falta de azeite que cada uma delas tinha nas vasilhas, a não ser elas próprias…
Somente nós e Deus sabemos como é que se encontram as nossas vidas…

Não vivemos somente para ter o que comer e beber e ficar subjugados com as coisas desta vida, que é passageira. Não podemos deixar que o natural roube a importância do espiritual e eterno.


Não rejeiteis, pois, a vossa confiança, que tem grande e avultado galardão. Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa. Porque ainda um poucochinho de tempo, e o que há de vir virá e não tardará. Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Nós, porém, não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma. Hebreus 10:35-39

Não sabemos como vai ser o fim da nossa carreira. Estar em boas relações com o Divino Oleiro é fundamental, porque não deve haver dor mais difícil de suportar e mais profunda, do que caminharmos para chegar ao fim, e não alcançarmos a Promessa.

Deus é Fiel, mesmo quando nós somos infiéis. A responsabilidade de buscar o Senhor e chegar ao fim é nossa. Esta é a melhor oportunidade que nos é dada! Vivemos na graça e pela graça de Deus, e não deixemos que nada, absolutamente nada, nem ninguém, impeça de chegarmos ao final da nossa carreira!

Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.

Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado. E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor e não desmaies quando, por ele, fores repreendido; porque o Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho. Hebreus 12:1-6

Esta é uma admoestação do Amigo Espírito Santo que caminha connosco cada dia. O Senhor poderia não se preocupar, e deixar-nos andar pelos nossos próprios caminhos e escolhas, mas estejamos gratos pelo Seu cuidado para connosco, nos alertando para os “perigos” que podem suceder nas nossas “naturalidades”. O nosso coração pode ficar carregado ou sobrecarregado com cargas desnecessárias, segundo Jesus nos alertou… Se Ele fez isso com Pedro, fará connosco.

E, tendo cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras. Então, Jesus lhes disse: Todos vós esta noite vos escandalizareis em mim, porque está escrito: Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho se dispersarão. Mas, depois de eu ressuscitar, irei adiante de vós para a Galileia.

Mas Pedro, respondendo, disse-lhe: Ainda que todos se escandalizem em ti, eu nunca me escandalizarei. Disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, três vezes me negarás. Disse-lhe Pedro: Ainda que me seja necessário morrer contigo, não te negarei. E todos os discípulos disseram o mesmo. Mateus 26:30-35

Quem sabe alguns de nós pensam que não precisam de ser alertados quanto ao que quer que seja, “porque sabem o que andam a fazer”. Todos nós temos um pouco de Pedro. Por vezes a admoestação não é para o momento que estamos a passar, mas um despertar da nossa consciência para o que pode ou possa vir a acontecer.

Nem sempre encaramos com agrado quando somos admoestados, quer com o que já aconteceu, bem como com as coisas que podem acontecer, se não tivermos cuidado. Neste caso de Pedro, mostra-nos a fragilidade humana na sua “Síndrome de Fuga” das consequências de caminhar com Jesus em ambiente hostil.

Todos nós falhamos em muitas coisas, e alguns com bom grado aceitam conselho, ao passo que outros vêm nisso uma forma de intromissão nas suas vidas. Aprendemos algo na conversa de Jesus com Nicodemos no Evangelho de João, capítulo 3.

A palavra tem a ver com todos, mas eu tenho que pensar em mim, fazer decisões pessoais. Terei de me questionar, “Será que estou preparado para esse dia e hora que desconheço, mas sei que vai acontecer, pois terei de me encontrar pessoalmente com Deus, o meu Criador?

Estejam alerta. Cuidem da vossa vida. Olhem por vós mesmos! Estes são conselhos bíblicos. Repara que Jesus não diz, “Olha para ti”, mas “por ti”. Estar atento ou alerta, é estar apercebido.

“Portanto, estai vós também apercebidos; porque virá o Filho do Homem à hora que não imaginais.” Lucas 12:40

É sério, e não podemos negligenciar. Temos necessidade de cuidar da nossa vida espiritual. Não espere que sejam os outros a fazê-lo por si. Não resulta! Não é egoísmo, mas um cuidado próprio para não sermos surpreendidos e desprevenidos.

Se percebermos as palavras de Jesus em Lucas, elas não têm a mesma força das que encontramos no Sermão do Monte, quanto ao olhar. “Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta… Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham, nem fiam” Mateus 6:26,28. 

Nem o pedido nem a envolvência são a mesma coisa. Tem de haver uma atenção constante da nossa parte, da nossa atitude. Dela depende a nossa salvação.

Neste caso mencionado por Jesus, a advertência tem a ver com comida, bebida e com os cuidados da vida. Ninguém é melhor ou pior do que quem quer que seja. Aqueles que não tenham fraquezas nalgumas áreas têm noutras. “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia.” 1 Coríntios 10:12

Jesus termina o discurso com um alerta aos Seus discípulos quanto à prevenção. Jesus pode vir buscar-nos em qualquer momento. Não permitamos que as nossas mentes estejam insensíveis ou ocupadas com coisas que não sejam tão importantes quanto isso…

A vinda do Senhor será de tal maneira repentina, que vai encontrar muitos sem azeite nas suas “lâmpadas”, e sem reserva. Nesse dia haverá somente duas classes de pessoas: Aquelas que estão prontas, para as quais a vinda de Cristo será um supremo prazer; e aquelas que não estão prontas, e para quem o seu retorno será uma triste e fatal notícia.

Usar a Vigilância e a Oração são “chaves” para estar preparado para se encontrar com Deus, sem esquecer a obediência e a prática da Sua Palavra.

Estando ocupados com estas disciplinas espirituais, estamos a olhar por nós e ao mesmo tempo a olhar por aqueles que, como nós, aguardam com espectativa o seu encontro pessoal com o Senhor Jesus; ou na Sua vinda a buscar a Sua Igreja, ou ao partirmos deste mundo para estar com Ele, quando formos chamados à Sua Presença.

P. José Faria

Related Posts

1 Comment


ICCM - July 23rd, 2020 at 8:18am

Mensagem contemporânea sobre o nosso dia-a-dia. Isto acontece sem nos apercebermos com o ritmo da vida, o trabalho a escola as interações com outras pessoas e tantas outras coisas que realizamos ao longo dos dias. Se nós não tomarmos as devidas precauções ficamos afastados da realidade espiritual que devemos ter.

Como filhos de Deus necessitamos estar ligados à fonte (Jesus), para podermos manter este relacionamento e manter-nos santos no meio de tudo o que se acontece. Olhar por nós mesmos é uma simples forma de dizer, estai preparados, porque o dia e a hora ninguém o sabe.

Recent

Categories

Archive

 2020

Tags